Consultar psis

Publicado a 26.03.2013

Por que procuramos psicólogos psicoterapeutas? Por que é que em determinado momento das nossas vidas nos dirigimos a um(a) especialista cujas principais ferramentas são a escuta, a palavra e um coração compassivo?

A lista pode ser muito longa e variada: problemas familiares (conjugalidade, educação dos filhos, relacionamento com os pais), emocionais (impulsividade, tristeza e ansiedade desreguladas, euforia alternada com depressão, medo excessivo e perturbador), existenciais (sentido da vida, luto, solidão), problemas relacionados com a alimentação, com a identidade e a vida sexual, com o sono, com o jogo, com o abuso de substâncias, e, nos casos de maior gravidade, problemas em que predominam delírio e  alucinação, comportamento desorganizada. No essencial poderíamos dizer que as pessoas vão ao “psi” porque têm problemas que as bloqueiam, as fazem sofrer e não estão a conseguir solucioná-los.

Apesar de permanecer alguma confusão a respeito do serviço que os psicólogos psicoterapeutas oferecem (não são psiquiatras e não são conselheiros) quem já recorreu à consulta de psicoterapia sabe, de um modo geral, ao que vai e o que encontra. Encontra fundamentalmente um especialista ou profissional de saúde com três características.

Sabe ouvir com atenção. Não ouve apenas como um bom amigo numa esplanada ou como um familiar com quem se desabafa. O paciente encontra, para além do desabafo, uma pessoa especializada na arte de escutar com atenção e detalhe orientador, alguém que tem um ouvido estruturado: vai à procura do que é emocionalmente mais saliente e doloroso, identifica os dilemas e os conflitos que a pessoa vive, sublinha as capacidades e a força do paciente.

Por outro lado, sabe usar a palavra. Não só para ajudar a pessoa a compreender e a explorar as dificuldades que atravessa, mas também para a desafiar a encontrar soluções e alternativas eficazes e saudáveis aos problemas, fazendo alavanca precisamente no desejo de mudança, identificando as suas resistências em o fazer, dando energia à força saudável que mora nela.

Assume uma postura empática e compassiva: acolhe com respeito genuíno a pessoa e as suas lutas interiores, compreende e aceita o seu medo de mudar, não apresenta soluções desrespeitadoras nem dá conselhos avulsos sobre a vida do/a paciente.

De um modo geral, podemos dizer que a consulta de psicoterapia é um encontro entre alguém com os seus problemas e os seus recursos, com o seu desejo de mudar ( mas também com o seu medo da mudança) e um(a) especialista treinado(a) para dialogar, para se relacionar e usar conhecimentos da ciência psicoterapêutica que favorecem a compreensão dos problemas e a sua resolução, promovendo a saúde relacional e emocional.